AllexInCasa: pra quem sempre volta pra casa

Just another WordPress.com site

Archive for maio 2009

Beduína

with 4 comments

Que legal saber que as criações made in Brasil surfam na crista da onda. Lia Siqueira, arquiteta carioca e designer de mão cheia, acaba de abocanhar premiação em dose dupla no exterior, com essa simpática estante Beduína: o iF Design Award e o Red Dot Design Award.

Anualmente, as duas congratulações alemãs validam as formas e volumes mais importantes do mundo, enaltecendo características como desenho, matéria-prima, adequação ambiental, público consumidor, entre outros critérios.

A estante premiada, desenvolvida em parceria com a bombada Etel Interiores (www.etelinteriores.com.br), reúne todos esses elementos e muito mais. Totalmente feita à mão, em peroba do campo (certificada), a peça é nômade, compacta e pessoal. Dividida em módulos ajustáveis, gera infinitas composições e permite usos diferenciados. Sem falar no shape, nota 10!

Anúncios

Written by AllexInCasa

maio 28, 2009 at 7:17 pm

Publicado em Décor, Design

Tagged with , , , ,

Olhos coloridos

with one comment

Vapt-vupt por conta da correria. Olha que divertida essa mesa eu vi no Dezeen.com. Cria do designer belga Alain Gilles para a italianíssima Bonaldo (www.bonaldo.com), a peça é de uma frugalidade sem fim: consiste numa lâmina de madeira fazendo o tampo + estrutura com pintura automotiva fazendo os pés, num efeito assimétrico descoladaço, valorizado tanto pelo jogo tétrico, quanto pela ginga de cores. Inté!

via Dezeen

Written by AllexInCasa

maio 27, 2009 at 8:12 pm

Publicado em Décor, Design

Tagged with , , , ,

Alguma coisa acontece

with 2 comments

Sampa não tem praia, não tem montanha, é cinzenta e entulhada, sufocada pelo concreto, mas a gente não larga ela de jeito nenhum. Pródiga em aglutinar gente bacana, antenada e guerreira, a megalópole mixa sotaques estéticos e culturais que não estão no mapa. No recheio dos edifícios que tentam arranhar os céus da urbe, ou em oásis debruçados sobre o perímetro horizontal, um mosaico de tocas cheias de personalidade dão conta do jeito plural de ser e viver do paulistano – ou dos imigrantes que adotaram essas bandas como sua terrinha.

De olho nesse raio-x que não poupa os paredões de cimento, a editora Metalivros (www.metalivros.com.br) lança “Casas de São Paulo“, book bacanérrimo que registra 46 residências de estilos antagônicos. Com cliques impecáveis do Tuca Reinés e textos saborosos de Maria Ignez Barbosa, a obra estampa, em 240 páginas, fragmentos de décor e arquitetura que revelam, além da personalidade dos seus donos, um tanto da sofisticação do principal estado do País. O projeto vem sendo pensado há quase 20 anos pelo editor Ronaldo Graça Couto, e as casas foram editadas sequencialmente em três categorias: urbanas, campestres e praianas, conduzindo o leitor a uma viagem pela intimidade residencial de personalidades proeminentes na comunidade paulista.


No sentido horário, partindo da primeira imagem no canto superior esquerdo, as casas de: Gloria Kalil, Neco Stickel, Arthur Casas e Joyce Pascowitch

Minha amada e idolatrada big boss Clarissa Schneider (diretora da Casa Vogue e maior autoridade em chiqueria que eu conheço), assina o prefácio e abre as portas do seu apê para o livro – uma lição despretensiosa de estilo, como ela o é. Quase todas as residências reveladas em Casas de São Paulo são de pessoas conhecidas na mídia, porém, algumas vezes, pouco conhecidas na intimidade. Gloria Kalil, Charlô Whately, William Maluf, Attilio Baschera e Gregório Kramer, Waldick Jatobá, Joyce Pascowitch, Hector Babenco, Sig Bergamin e Houssein Jarouche integram o time. Confira!


No sentido horário, partindo da primeira imagem do canto superior esquerdo, as casas de: João Armentano, William Maluf, Maria Ignez Barbosa, Sig Bergamin, Luisa Strina e Tuca Reinés

Written by AllexInCasa

maio 26, 2009 at 7:36 pm

Mobília Popular Brasileira

with 6 comments

Adoro MPB, o gênero musical, desde que me entendo por gente. Principalmente a dita MPB vintage (morro de preguiça desta nova safra de cantores-clone produzidos em série – principalmente as cantoras –, e dos movimentos pasteurizados que revisitam a pseudo-bossa e a pseudo-fossa das antigas, com muito sampler e pouca personalidade).

Ao ponto: sexta-feira passada fui ver o documentário “Ninguém sabe o duro que dei”, que conta a saga de um dos maiores nomes do nosso cancioneiro popular: Wilson Simonal. Dirigido por Cláudio Manoel, Micael Langer e Calvito Leal, o filme tenta suturar a imagem do artista na memória do povão, já que, depois de viver dias de Frank Sinatra nos anos 60 (o cara fez um über-sucesso com as massas) ele foi sentenciado ao oblívio (entre as décadas de 70 e 90) por acusações de envolvimento com o DOPS. Simonal morreu em 2000, duro e praticamente esquecido, sem homenagens, sem glamour, sem perdão, com o filme carbonizado tanto pela esquerda, quanto pela direita. “Esquecemos de absolver o Simonal”, escreveu Mario Prata na época. Nunca ninguém provou nada contra o sujeito, muito ao contrário: ele passou os últimos dias da sua vida tentando se livrar da pecha de alcagoete, chacoalhando, em programetes de auditório, um documento oficial do Ministério da Justiça atestando isenção de qualquer vínculo, em qualquer época, com o DOPS. Mesmo banido do circuito, o cantor deixou mais do que uma obra do balacobaco (que, espero, engate um fôlego a partir do impulso do cinema): seu DNA continua saltitando no ótimo trabalho dos herdeiros Max de Castro e Simoninha, gente boa que pintou na gênese da gravadora Trama (conheço os caras desde a época do movimento paulista Artistas Reunidos, embrião de uma renovação na cena, antes do boom da pasteurização a que me refiro lá em cima).

De volta ao assunto-combustível deste blog (o resto é só link culturete), outra MPB que faz a minha cabeça é a Mobília Popular Brasileira, tramada por uma gente cheia de ginga nas curvas – tal e qual Simonal swingava suas notas. Em cartaz na loja-galeria Passado Composto Século XX (www.passadocomposto.com.br), a partir de junho, a expo “Sempre Modernos” promete reunir um elenco de peso: Joaquim Tenreiro, Sergio Rodrigues, Jorge Zalszupin e Jean Gillon. São cerca de 40 peças originais (móveis, tapeçarias, estudos e objetos), pinçadas tanto no acervo da loja como em coleções particulares. “É uma oportunidade de conhecer preciosidades de um período especialmente rico da história do design brasileiro”, diz Adélia Borges, curadora da mostra e uma das maiores autoridades do design por essas bandas.

Todas as peças expostas são originais, a maioria produzida com o jacarandá-da-bahia, madeira de grande durabilidade e qualidade, quase totalmente extinta. “Por sua qualidade estética e técnica, os móveis desse período alcançaram o atributo de clássicos atemporais”, explica Borges.

Assim como a carreira de Simonal, esses móveis já tiveram seus dias de desprezo, e só muito recentemente começaram a ser devidamente valorizados. “Antiquários e casas de leilões da Europa e Estados Unidos, até então dedicados quase exclusivamente a obras européias, passaram a trabalhar com produtos made in Brazil, que têm alcançado enorme prestígio e reconhecimento. Um dos exemplos é a cadeira Três Pés, de Joaquim Tenreiro, que foi vendida em Nova York, em 2004, por US$ 54 mil e em 2006, alcançou a cotação de US$ 250 mil, segundo reportagem publicada na revista especializada Art+Auction” contou Sandra Sobral, que faz a comunicação do evento.

Seja qual for a sua MPB favorita, para sacudir geral, pesquei no Youtube uma cena espetacular que faz parte de “Ninguém sabe o duro que dei”: Simonal em dueto com ninguém menos que Sarah Vaughan, a diva que divide com Billie Holiday e Ella Fitzgerald a santíssima trindade matriarcal do jazz:

Written by AllexInCasa

maio 25, 2009 at 4:47 pm

No rabo do jacaré

with 6 comments

No caldeirão de Zaha Hadid (olha ela aqui de novo!), moda, arquitetura e design são farinhas do mesmo saco. Lembra do sapatinho que ela desenhou para a Melissa? Pois agora a arquiteta iraquiana rabisca mais um pisante, desta vez para a Lacoste (meu jacaré predileto, diga-se de passagem).

A novidade não acrescenta absolutamente nada de novo ou subversivo ao portfólio da designer, mas dá um sopro de vanguarda na marca do tenista francês René Lacoste, cujo desenho original da sua peça mais notória, a camisa polo, é praticamente o mesmo, desde 1927 (graças a Deus! Adoro a inovação… mas existem certas coisas que, definitivamente, não podem ser “mexidas”). Tradição de um lado, modernidade absoluta (e polêmica) do outro: Zaha é o que há de mais badalado no panorama internacional da arquitetura contemporânea. Mas, as formas que saltam da sua telinha de plasma 40”, dividem opiniões. Como sempre rasgo elogios inflamados à mulher, desta vez achei mais conveniente, para efeitos jornalísticos, ser menos opinativo e virar a moeda. Fabrizio Rollo, editor de estilo de Vogue e Casa Vogue, solta o verbo: “No começo, a estética dela causou um impacto no mundo. Parecia que nós precisávamos daquele ‘beliscão’ de modernidade e futurismo. Mas com o beliscão, vem o grito. Está na hora de coisas mais macias e doces, de menos dor. A impressão que dá é que ela se senta ao computador para criar, aperta um botão, e… o computador faz tudo para ela… Tenho um amigo, o arquiteto belga Vincent Van Doysen, que com suas linhas puristas conquistou clientes como a atriz Julianne Moore, que compartilha a mesmo opinião que eu”, diz.

Sou contra essa arquitetura escultural, em larga escala – em exceções, tudo bem. Mas imagine uma cidade abarrotada de prédios esculturais. Seria um caos, uma agressão urbana. Por mais verticalizadas que sejam, no conjunto, as linhas puras compõem um skyline mais harmônico”, conclui.

Na seleção de imagens abaixo, sem crocodilagem, uma retrospectiva do traço de Zaha, aplicado em prédios, móveis, casas e coisas:

Written by AllexInCasa

maio 20, 2009 at 9:11 pm

Galinheiro

with 8 comments

Outro dia o Zé Renato Maia (caso você não saiba, o idealizador do layout deste blog bonitão que cintila em marrom-bombom e azul-tendência na sua telinha), mostrou um site japa superbacana: o www.kyouei-ltd.co.jp . O estúdio tem uma pegada bem vanguardista, tanto no conceito do desenho (seco, purista, futurista) como nos materiais alternativos que explora. Exemplo disso é esta Composition Chair, feita em camadas de malha metálica que parecem aquelas telinhas de galinheiro. E nada mais – a poltrona não leva nenhum outro material na estrutura ou no recheio: o que sustenta a peça é o próprio alumínio, recortado numa espessura firme, mas flexível (cerca de 3 milímetros).

Apesar do impacto e da frieza da matéria, o efeito é muito leve, por conta dos furinhos que “oxigenam” o móvel. Não sei se é ergonômica (test drive, por enquanto, só em Tóquio), como outras peças aramadas, tipo o jogo de Bertoia que tenho lá em casa – e que acho confortabilíssimo. Mas aprovo o look. E você?

Written by AllexInCasa

maio 18, 2009 at 11:54 am

Publicado em Décor, Design

Tagged with , , ,

Puxando o tapete

with 4 comments

Aproveitando o gancho dessa história de tapetes alemães, descolei outra novidade do gênero lá no Dezeen.com (meu blog gringo predileto). Todo mundo sabe que os carpetes de madeira, evolução do assoalho, estão entre os acabamentos mais blockbusters do mercado, desde o século passado. Mas uma estudande alemã de desenho industrial foi um pouquinho mais longe ao criar uma variante cheia de mobilidade: tapetes de madeira.

Quem se liga nos mandos e desmandos do planeta décor, já está até acostumado com tapetes diferentões, com lãs mais felpudas e volumosas do que a cabeleira da Diana Ross, ou modelos estilizados em retalhos, couros, peles sintéticas, borrachas e afins. Mas acho que Elisa Strozyk puxou o tapete de todo mundo no quesito originalidade.

A técnica da moça (que tem pouco mais de vinte aninhos e cursa o Central Saint Martins College of Art and Design, em Londres) varia conforme o efeito que ela quer dar aos pisantes. Assim, as placas podem ser cortadas a laser ou artesanalmente mesmo. Depois, são coladas a uma malha anti-derrapante, como uma espécie de mosaico. A funcionalidade do produto é impecável, considerando que, tanto pela espessura da madeira quanto pela aderência do tecido no chão, ninguém escorrega ou tropeça.

Por enquanto, ela batizou este trabalho (ainda acadêmico, mas já premiado e patenteado) de “madeiras têxteis”. Pela geometria do material e pela flexibilidade da sua superfície, é possível aplicá-lo também como acabamento em diferentes plataformas: pisos fixos, paredes, revestimentos de móveis.

Desenvolvi este trabalho quando estava trabalhando com lâminas irregulares de madeira descartadas por uma marcenaria. Fiquei fascinada pela sua geometria e tive a ideia de fazer os tapetes. Para o designer, é fundamental inventar novos usos com material residual. Numa época onde os recursos estão cada vez mais ecassos, é importantíssimo contar com essa consciência de reciclagem”, contou ela ao Dezeen. Abaixo, uma imagem em GIF que mostra o produto em ação:

Written by AllexInCasa

maio 13, 2009 at 5:32 pm

Publicado em Décor, Design

Tagged with , , , ,