AllexInCasa: pra quem sempre volta pra casa

Just another WordPress.com site

Guerra dos Mundos

with 19 comments

Não agüento mais a palavra sustentabilidade – o verbete é tão exaustivamente aplicado, que quem realmente leva a coisa a sério chega a ficar com as bochechas mais coradas do que uma maçã do amor ao se deparar com tanto emprego indevido. Sabe aquela coisa de vergonha alheia? Pois é: eu tenho. Venhamos e convenhamos que responsabilidade ambiental já não era mais uma questão de opção, desde que eu nasci, lá na segunda metade da década de 70. Imagine agora, mais de 30 anos depois, com a camada de ozônio pedindo arrego, as matas cada vez mais anorexas, as águas minguando e a bicharada virando excentricidade em museu… Quem não é sustentável deveria ser banido do mercado – e do planeta. Ponto. A conversa aí em cima introduz uma tendência que não é nenhuma novidade no design, mas que vive dias de revival neste terceiro milênio de “verdades inconvenientes” (alguém aí viu o filme do Al Gore?), quando quase todas as possibilidades de forma e conteúdo foram drenadas do imaginário e os recursos se esgotam a passos largos: a biomímica ou biomimetismo (imitação das formas e funções da natureza).

No site do SPFW, o über-editor, über-antenado e über-amado André Rodrigues fez uma aposta no trabalho do designer coreano Chul An Kwak, autor dessas mesas que simulam os tentáculos de um polvo (embora o criador afirme que a inspiração real são os cavalos de corrida). A ideia de ter um móvel de look alienígena, que parece que vai sair correndo atrás da gente a qualquer momento, é um tanto quanto aflitiva. Mas a peça tem lá sua genialidade, ninguém pode negar. O fato é que Chul An Kwak tá ganhando a cena além das fronteiras de sua Seoul, caindo como um boné no gosto, digamos, meio extravagante, dos rappers. Sabe quem é o maior cliente do cara? Kanye West.


Lulalá: parece um polvo, mas não é.  As mesas do designer coreano Chul An Kwak usa tentáculos de madeira nos pés

Provavelmente o Kanye não saiba que bem antes do coreano, no Brasil, logo ali nas Alagoas, um artesão conhecido como Seu Fernando já juntava troncos desmatados, raízes trançadas, tocos retorcidos, galhos secos, madeiras desprezadas e que tais, para esculpir mesas, cadeiras e bancos de efeito mimético (bloguei a história dele há alguns meses).


Resto de toco: banquinho mimético do Seu Fernando, artesão lendário da Ilha do Ferro, falecido recentemente

Talvez pelo charme brejeiro da nossa geografia, detentora de uma das naturezas mais exuberantes do mundo, a tropicália combine tanto com a estética alien-brüt (mais natureba do que marciana, no caso dos tupiniquins). Seja nas culturas caiçaras, caipiras ou urbanas desses brasis, a biomímica sempre teve espaço por aqui, com seus inúmeros sotaques. O banco assinado pela paisagista Renata Tilli (nu e cru, feito por uma artista que não é designer, mas que lida com plantas) e a luminária da Puntoluce (simbiose entre aspereza orgânica e luxo refinado) são dois exemplos categóricos.


Natureba em duas versões nada marcianas: o abajur de tronco rústico encontra a finesse da cúpula contemporânea by Puntoluce; a cadeira de galhos secos é criação da paisagista Renata Tilli

Clássicos da mesma escola (dissecados muitas vezes neste blog), Hugo França e Pedro Petry alimentam uma produção que se apropria dos resíduos florestais desprezados pelo homem, interferindo minimamente neles.  Julia Krantz (uma das minhas prediletas) acompanha a toada, com seu belo traço em busca do efeito in natura.


Brasileirinho: bowls de Pedro Petry, banco de Hugo França (no alto) e namoradeira de Julia Krantz

Em tempos de globalização imediata, o estilo se expande sem limites geográficos. Os europeus (principalmente os ingleses e franceses), em todas as épocas, se apropriaram da natureza para enfeitar sua mobília, a exemplo da escrivaninha garimpada por Juliana Benfatti, em Londres. Do mesmo fog, o sangue-novo Peter Marigold, formado pelo Royal College of Art, ataca com tudo no handmade, com o máximo cuidado para manter a madeira o mais natural possível, lidando com formas assimétricas e  tirando partido da irregularidade como ponto alto, caso da estante Split.


London, London: escrivaninha inglesa garimpada por Juliana Benfatti e estante irregular do designer londrino Peter Marigold, com galhos secos

O espanhol Nacho Carbonell, outro nome quente no panorama atual, obcecado pela luta contra o consumismo e desperdício desenfreados, só constrói suas invenções com material eco-friendly. E leva o conceito às últimas consequências, produzindo obras que chegam a incomodar, de tão uterinas: “Vejo as minhas criações como organismos vivos, capazes de surpreender com seu comportamento, que interage com o ser humano”, contou em entrevista à Taissa Buesco, para Casa Vogue. Com tempero surrealista, uma de suas mobílias mais polêmicas parece um ninho de joão-de-barro ou coisa que o valha. E assusta os incautos!


Volta ao ninho: criações do espanhol Nacho Carbonell. As cadeiras parecem o ninho do joão-de-barro, enquanto o sofá se enche de ar quando a gente senta, levantando o galho e dando a sensação de companhia

Na outra ponta da corda, com uma matéria bem mais obediente ao manuseio, a argila, o norte-americano Peter Lane faz vasos, luminárias, móveis e outros objetos  inspirados em lavas vulcânicas, colmeias de abelha, barro rachado, formações glaciais, frutas, flores, bichos. Com sua  técnica de queima guardada a sete chaves, o ceramista explora esse efeito petrificado, que lembra esculturas nas rochas.


Terra do nunca: mimetismo petrificado nas cerâmicas de Peter Lane

Sintética na matéria, mas absolutamente mimética no look, a poltrona Anêmona, uma das peças mais manjadas do portfólio dos big brothers Campana, causaria espanto aos americanos que caíram no maior trote da história, armado por Orson Welles naquela transmissão de rádio em que ele alertava o mundo sobre uma invasão de extra-terrestres. Com materiais quase ordinários, repaginados em shape sci- fi glamouroso, a cadeira também parece prestes a nos engolir. Mais mimético, impossível.


Cloverfield: com seu jeito simpático de monstrengo marinho, a poltrona Anêmona, dos big brothers Campana, faz a mímese no shape, com material sintético

Anúncios

19 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Uauuuuuuuu!!!!!!!! Fantasticas os designes.

    Adriana

    julho 31, 2009 at 3:59 pm

  2. concordo com o escritor: a primeira mesa parece que vai sair correndo atrás da gente

    Josué Magalhães

    julho 31, 2009 at 4:22 pm

  3. adorei estes “móveis-polvo”… arte+design

    Gui Torres

    agosto 1, 2009 at 12:11 pm

  4. adorei o titulo ;- )

    rodrigo almeida

    agosto 1, 2009 at 1:01 pm

  5. fantastico

    marcos barbosa

    agosto 2, 2009 at 1:28 am

  6. onde encontro as peças do coreano?

    Deborah Lima

    agosto 3, 2009 at 2:28 pm

  7. um pouco exotico demais para o gosto do brasileiro, nao achas?

    Lair P. Silva

    agosto 3, 2009 at 2:29 pm

  8. onde encontro os trabalhos do coreano?

    Deborah Lima

    agosto 3, 2009 at 2:30 pm

  9. Estes móveis parecem do tempo das cavernas!!!! Já evoluimos para uma era bem moderna!!!!

    Marilia

    agosto 4, 2009 at 8:53 am

  10. Hum… não achei beeem “alienígena” não.. Achei mais rústico do que alien.

    Carl J.

    agosto 4, 2009 at 9:17 am

  11. Quero saber se aguentam o tranco aqui de casa. Arrasta, senta, lava, enta em cima, chuta de vez em quando, joga no canto pra poder lavar a sala…
    Claro que vão dizer que é uma arte. É sim. Uma arte fútil, idiota e só quem gosta é gente metido a besta sem entender nada ou boio.la. UMA PORCARIA.

    Manuel Marques

    agosto 4, 2009 at 10:23 am

  12. excentrico.

    Blog do Kuelho

    agosto 4, 2009 at 10:56 am

  13. Tudo e lindo.
    Mas porque nao valorizar os nossos compatriotas e por isso que o nosso país naoalavanca so se ve o de fora nao se valoriza o que temos aqui, e para bens ao amigo que muito antes postou sobre os nossos artesoes que falta iniciativa deste e de outros veiculos de informaçao a destrezza para publicar somente tudo que se tem de bom e ate ruim em osso pais, ha de se pensar.
    Obs. ruim para assim corrigir.

    Del

    agosto 4, 2009 at 11:06 am

  14. Simples, não é?! Mas quem tem talento criativo é sempre “fora deste mundo”!

    Cauby Aguiar

    agosto 4, 2009 at 11:30 am

  15. este movel e artesanato o cara pregou um galho em um tampo eheh.
    design ?

    dirceu

    agosto 4, 2009 at 11:59 am

  16. Gosto muito de seus comentários os quais me ajudam em um curso de pós graduação que estou fazendo, gostaria de ter mais material, como posso fazer? Grata. Mari.

    marinelma de oliveira santos

    agosto 4, 2009 at 12:05 pm

  17. criativo pra caramba

    andre

    agosto 4, 2009 at 1:41 pm

  18. Ia fazer um comentário, mas sempre fico passada com algumas pessoas que te escrevem…deu até preguiça.

    Linda edição.
    Bjs

    Paula

    agosto 5, 2009 at 11:14 am

  19. Foi profético o título, Guerra dos mundos!!!! Vixi, Ôôôôô cabra arrêtado, aqui tem sempre um doido querendo tira a pexeira!!!!! Abraços Estê.

    Estê

    agosto 6, 2009 at 4:24 pm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: